segunda-feira, 25 de julho de 2011

PELOTÃO DO XEREM – Carta-agradecimento de um amigo e lembrança de momentos felizes

Abro minha caixa de Correio e lá está um envelope amarelo, tamanho Ofício. Abro e lá estão vários folders e cartões de cidades e vistas de mais de 15 locais turísticos de Santa Catarina e Rio Grande do Sul. E, em dois deles, belas mensagens do amigo  JOSÉ FULVIO DA MAIA VON WOLFF, que 51 anos depois, retornou ao mesmo pátio em que esteve por um ano, com a primeira turma que incorporou no BGP da época, na nascente Brasília.
No cartão postal do PÓRTICO DE ENTRADA DE SÃO MIGUEL DAS MISSÕES/RS, no verso deste, ele me escreve: - "Prezado Colega Begepeano! Aconselhado pela medicina, vim tratar da saúde na Região das Águas. Logo, conheci a Região das Missões, que me encantou e que merece ser visitada por todos. Ainda não voltei para Santa Catarina. Em 2 anos saí apenas para ir a Brasilia. Felicidades junto aos seus. (assinatura) JOSÉ FULVIO DA MAIA V.WOLFF - 15/07/11.
No verso do Cartão Postal da Edificação dos séculos,  17/18, dos Remanescentes da Redução Jesuítico Guarani, de São Miguel Arcanjo, Patrimônio Nacional do IPHAN - 1938 e da Unesco/1983, de São Miguel das Missões/RS, ele me escreve este belo texto:
- Cumpri pena em Liberdade durante 51 anos e hoje sou um Homem Livre. "Obrigadíssimo" pela força, não o esquecerei em minhas orações.
 Abraços.
(ass.)JOSÉ FULVIO.
Logo na parada da manhã de 6.ª feira, o mesmo José Fulvio e a comitiva de Santa Catarina e mais outros foram condecorados com o Brasão do BGP nas lapelas, camisas e camisetas, pelo Cel. Cmt. e pelos Generais Cardoso e Queiróz. Ficaram felizes. Mas logo depois a cerimônia continuou e ele assistiu à leitura de boletim interno especial, onde o Cel. Cmt. MONTENEGRO  cancelava punições dos companheiros PEKOWAL (representado no ato pelo KADU), do SABIÁ (a leitura de sua capivara demorou uns 5 minutos) e do PAINA. Ato  contínuo, claro, a outorga aos mesmos de um Diploma de Honra , versão atual. Aí pintou um sentimento de tristeza no José Fulvio, pois ele, ao sair na baixa de 62, saiu com sua ficha maculada por uma punição por se envolver com um PE. Na hora do almoço, conversando comigo, disse que gostaria tanto de ter recebido aquele diploma, 51 anos atrás, que ao chegar em sua casa, após a baixa, não pode apresentar o tal Diploma, junto à Reservista. Seus pais não ficaram felizes por completo, sabendo que ele perdera o tal Diploma por um infeliz entrevero (nome dado à uma sessão de socos, tapas, pontapés, rabos de arraia, rasteira, etc) com um soldado de outra tropa. Perguntou a mim como faria para ter a punição cancelada. Eu disse a ele que anotaria seu nome e que na próxima vez que estivesse em Brasília, em 2012, talvez o mesmo Coronel pudesse lhe oferecer o tal documento. Anotados seus dados em um guardanapo da mesa, pouco depois abordei ao Tenente JAIME, ao Sub MITCHELL e ao Cel. MONTENEGRO, que cuidassem deste assunto com carinho. E não deu outra:
- Na noite de Sábado, após o Jantar, Coronel no Palco, ao microfone agradeceu a presença de todos e chamou ao palco, os granadeiros SABIÁ, PAINA e JOSÉ FULVIO.  Aos dois primeiros, foram cobradas as explicações de como ocorriam certos cambalachos físicos e embromatícios e ao JOSÉ FULVIO, a leitura de sua penalidade, sua punição, seu perdão e, por fim, a entrega ao mesmo, do Diploma de Honra a que fazia jus, por ser um granadeiro limpo, sem mancha na sua ficha. Percebeu e claramente que a emoção que o mesmo sentiu neste momento foi incontrolável, embargando sua fala, mas, mesmo assim, com a voz entrecortada conseguiu expor ao microfone, o que ele sentia: emoção, alegria, felicidade, agradecimento, e reconhecimento. Foram bons, realmente, os momentos ali vividos.
E vão para minha extensa coleção mais uns 10 impressos.
XEREM-21/JULHO/2011






>

3 comentários:

Anônimo disse...

Existe alguém que sabe falar com as duas mãos sobre o teclado para nós ouvirmos pelas telas dos monitores. Isto em uma linguagem silenciosa que num arremedo de paradoxo produz relâmpagos e trovões de tempestades que vieram para regar um canteiro de flores chamadas saudades: este é o Xerem!

...desculpem...

)(pekowal)(

Anônimo disse...

A entrega desses Diplomas e esses Granadeiros de ontem que alicerçaram a nossa casa de hoje merecem bem mais que isso. somos eternamente gratos por tudo que fizeram e ainda fazem difundindo o nome de nosso Batalhão a mais de 30.000 visitas a nosso Blog.
Abraço em todos

Att ST Mitchell

Anônimo disse...

Quiquéiço?Meu amigo ST MITCHELLLLLLL gastando o verbo com este granadeiro??Bãodimadaconta, casquechorei , como diria um mineiro. !!!!!!Mas foi isto mesmo, Mtchell.Fiquei feliz ao receber a carta do José Fulvio e mais ainda esta mensagem cheia de reconhecimento e amizade. E é assim que nosso carro anda: com o combustível da amizade + camaradagem. Combustível de fonte abundante, inesgotável, sustentável e perene.Um abraço a vc e a todos daí. Ah! Chegaram aos meus ouvidos notas de que, devagar e "na surdina", os preparativos do Encontro em Araraquara, estão andando.Um cordial e begepeano abraço.Xerem-21/JUlho/2011