domingo, 11 de setembro de 2011

GABINETE DO GOSUEN – Companheiro Geraldinho

Amigos Granadeiros,

Encontrei matéria publicada hoje online do Jornal Comércio da Franca.
 

JORNAL COMÉRCIO DA FRANCA – 11/09/2011
Geraldo Ribeiro Filho, 66, o Geraldinho dos calçados Opananken, morreu por volta das 3 horas da madrugada deste domingo no Hospital Nove de Julho, em São Paulo. A informação foi confirmada pelo filho Ygor Alex Alves Ribeiro, que assumiu a direção da empresa desde que o pai passou a enfrentar problemas de saúde. “Ele estava há três meses lutando contra uma artrite. Eram idas e vindas do hospital. O quadro da doença foi evoluindo, atacando outros órgãos e ele não resistiu”, disse Ygor, por telefone.
A luta de Geraldinho, como sempre gostou de ser chamado, começou no início de 2009, quando passou quase dois meses internado em São Paulo. A doença se agravou há cerca de três meses e, apesar da luta da família e do próprio empresário, o tratamento a que ele foi submetido não surtiu o efeito esperado e ele morreu na madrugada de hoje.
A previsão é de que o corpo de Geraldinho chegue a Franca por volta das 17 horas. O velório será na sala 1 do São Vicente e o sepultamento está marcado para as 10 horas desta segunda-feira.

A HISTÓRIA

Geraldinho, que em 2009 foi contemplado no Top Franca como Empresário do Ano, fundou a Opananken utilizando máquinas emprestadas. No início eram fabricados 10 pares de calçados masculinos na cor branca. Ele passava dia e noite envolvido na produção que contava com a ajuda de dois sapateiros autônomos. Nos finais de semana, viajava para vender os calçados em hospitais e consultórios médicos.
Entre 1987 e 1988, Geraldinho morou na Espanha e em Portugal. O empresário conheceu máquinas com tecnologias avançadas e com apoio do Grupo Amazonas nas pesquisas e do Banco do Brasil nas finanças, ele criou um novo conceito de conforto para os pés.
Atualmente a Opananken Antistress produz 700 pares/dia em várias cores, incluindo o calçado feminino, adotado em 2000. A linha de calçados lançada por Geraldinho foi a primeira do Brasil a ter certificado da ANAD (Associação Nacional de Assistência ao Diabético).

>